Páginas

domingo, 8 de janeiro de 2017

Tem dias que sou como sol
Poente tentando esconder
Seu brilho detrás da montanha
Até que só do outro lado o achem.

Vontade de voltar às origens
Virar pó de estrela na galáxia
Fragmento sem nome, sem-fim
Viajando a distantes confins

Sem cobranças nos ambros
Sem gravidade a agravar
E dar peso a cada escolha
Simplesmente voar no espaço

Sem nó, sem armadilha, sem laço
Sem pensar no próximo passo
Pois passo não há.
Há um brilho silencioso que busco...

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Ancoragem

Se dar à luz é o milagre divino do fazer nascer, não é de impressionar que a Santa Luz seja a materialização do novo nascimento de tantos. Essa luz que ilumina lugares sombrios, que se faz habitar em lugares antes assombrados, é chama interna de nosso coração. Aceso pela fonte do fogo sagrado que se faz num chá, converte homens e mulheres em lampiões de si mesmos.

E se são nômades estes homens e mulheres, impulsionados pelo vento que sopra da vida, prova maior não há que essa luz é peregrina, e que paredes e tetos são demais pequenos para serem seu solo.

Sua morada só poderia ser a infinitude do universo. E cada ser carrega em si mais de um, mais de mil, incontáveis universos. Os vagalumes da Santa Luz: luz multiplicada voando por todos os cantos.

Façamos, de cada respirar, o sopro que não permite que a luz desse fogo se apague.

O amor não é um endereço.

*

A força não me deixa mentir: nesse mundo, é cada um por si.

Não, isso não significa que você está sozinho, inclusive não está, mas se você não quiser se ajudar, não sou eu quem vou poder. Emana de tua consciência o poderio para a modificação. É necessário que seja uma escolha sua, para que depois você possa acompanhar, a cada passo dado, a beleza de seu merecimento.

Pois merecimento não é fruto de predileção, de destino ou fortuna: é o galardão do livre-arbítrio. Bom e maus passos, chegamos a onde estamos por nossos próprios pés. Somos nós que traçamos o caminho do caboclo, dia após dia, fazendo de cada encruzilhada uma canção.

Talvez seja essa a aversão de alguns humanos aos Exus e Pombas-Gira; essas entidades revelam as diversas facetas que podemos adotar quando colocados diante de uma escolha. Mais do que aprender a escolher, aprender a receber as consequências de cada escolha, sem culpa apesar do pesar, sem deslumbre apesar da glória, é, enfim, a grande lição dessa escola [ que é a vida, que é a Santa Luz ].
Tem muitas coisas que eu amo em você, mas a que eu mais amo com certeza é seu abraço. O encaixe perfeito do meu corpo entre seus braços, a concha que se forma e transforma todo o redor em mar. E nesse mar eu tenho certeza que a gente decidiu mergulhar, porque eu me sinto de volta ao meu habitat quando estou com você. É um resgate da origem que me ensina que o princípio e o fim de todas as coisas se dá no amor - porque é ele a espiral da renovação de toda alma.

Esse abraço, sem dúvida alguma, é a mais pura ancestralidade.


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Para o primeiro mês

É difícil ser feliz?
Talvez seja, pois renunciar a nossa tristeza também causa dor.
Estar salvo por um triz,
Equilibrando-se na corda-bamba e cambaleante do amor.
Furar os dedos no espinho da rosa,
Permanecer valorizando essa austera proteção,
Medindo bem as palavras na prosa,
Para que tudo que sai da boca seja bálsamo ao coração.
Nem todo bálsamo é doce, às vezes tem gosto de fel,
Mas na transformadora ferramenta da união
Faz com que o amargo na boca se transforme em mel
Dentro do peito, liberando a paixão.
Lidar corajosamente com as incertezas
Sem saber do amanhã, mas construindo o futuro,
Conservando em cada dia a pureza
Do fruto da relação que se fará maduro.

Talvez, ser feliz seja difícil,
Mas sem dúvida alguma se pode afirmar
Que se mostra tremendamente incrível
O perigo de amar.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Tudo que o mar movimenta

Tudo que o mar movimenta:
Emoções de uma alma sedenta,
Erupções de água molhando a areia,
Impulso que corre o sangue na veia.

Vida. Do mar brota vida, a mais primitiva,
E quando ela chega, o que é seco não esquiva;
Permite molhar e até mesmo inundar,
Até terra seca sonha em virar mar.

Do mar brota amor, desejo de pele,
Desejo de estrela cadente que sele
O beijo dos amantes na beira da praia,
O canto da cabocla com flores na saia...

Imagina se um dia virar mar teu coração?
Peixes dançando, suave canção!
Imagina se um dia virar mar teu coração...
No fundo das águas, tudo é imensidão.

O ventre das baleias

O VENTRE DAS BALEIAS
Não se engane, não se engane!
Antes que seja tarde, sane.
Sim, é muita ferida pra lavar,
Mas, também, são imensas as curas no mar.
Dentro de ti habita profundo Oceano.
Aprenda, marinheiro, a navegar por qualquer plano.
Guarda tua alma no canto da Sereia;
Permita-se adentrar ao ventre das baleias.
Esteja atento a ouvir a velha cantiga.
Transportado serás, então, à morada antiga.
Despojando de vosso peito as mágoas,
Descobrirá que as raízes da árvore brotam das águas.
É familiar esse alto e vibrante barulho:
Barriga de mãe é seguro mergulho.
Filho, é chegada a hora, vais renascer...
Aprender a respirar, resplandecer.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Paixão, seiva que sobe das árvores e desce
a cada lunação, como bem apetece
às coisas da natureza.
Fruto do bom caminho da beleza.

Raiz funda, mais que profunda,
faz subir troncos mesmo quando moribunda
a esperança do homem tolo
que não vê no verde seu consolo.